Nutrigenômica e Câncer: Uma Revisão

Autores

  • Maria Carolina Ferreira Tessarin Curso de Nutrição do Centro Universitário de Vota Redonda – UniFOA, Volta Redonda, RJ, Brasil.
  • Marcelo Augusto Mendes da Silva Mestre em Ciência dos Alimentos. Docente do Curso de Nutrição do UniFOA.

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v8.n1%20(Esp.).1239

Palavras-chave:

Câncer, Nutrigenômica, Compostos bioativos dos alimentos, Expressão gênica.

Resumo

O homem tem aperfeiçoado técnicas para o tratamento do câncer a cada ano, pois o número de casos tem aumentado, estima-se que em 2020 existam mais de 30 milhões de pessoas vivendo com essa enfermidade. Para reverter este quadro, tem-se estudado sobre a Nutrigenômica, que tem como premissa identificar os genes que afetam o risco de dieta relacionados às doenças a nível do genoma e entender os mecanismos que estão por trás das predisposições genéticas em indivíduos. Contudo, o objetivo deste trabalho é estudar a relação entre a Nutrigenômica e o Câncer, enfocando possíveis efeitos e mecanismos de ação no combate e prevenção da doença. O câncer pode ser definido como uma doença provocada por alterações genéticas que favorecem a perda de controle e funções celulares, permitindo o crescimento descontrolado e desordenado das células. Entre suas causas estão: a susceptibilidade genética e a interação entre esta susceptibilidade e os fatores ou as condições resultantes do estilo de vida e do ambiente. Os sinais e sintomas mais comuns, que aumentam a morbimortalidade das pessoas com câncer e prejudicam a qualidade de vida, são: perda ponderal progressiva, anemia, anorexia, dor, náuseas, vômitos e fadiga. As principais modalidades de tratamento desta doença são a cirurgia e a radioterapia/quimioterapia, com apoio de uma equipe multiprofissional. A partir de dados do sequenciamento do DNA humano, constatou-se que, apesar das profundas diferenças existentes entre os indivíduos quanto a seus fenótipos, seus genomas apresentam similaridade de cerca de 99,9%. A variação interindividual de 0,1% se dá por meio de alterações discretas na sequência do DNA conhecidas como polimorfismos de nucleotídeo único (SNP), que existem aos milhões no genoma humano, e podem influenciar o risco para doenças crônicas não- -transmissíveis (DCNT). Nutrientes e Compostos bioativos dos alimentos podem modular a expressão gênica por mecanismos bastante complexos e dinâmicos. A nutrigenômica tem como objetivo principal o estabelecimento de dietas personalizadas, com base no genótipo, para a promoção da saúde e a redução do risco de DCNT, como o câncer. Mas ainda é necessário a realização de diversos estudos nessa área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADERKANI, A.M.; JABBARI, S. Nutrigenomics and Câncer. Avicenna Journal of Medical Biotechnology. v. 1, n. 1, p. 9-17, 2009.

AGGARWAL, B.B.; SHISHODIA, S. Molecular targets of dietary agents for prevention and therapy of cancer. Biochem. Pharmacol. v. 71, p.1397- 1421, 2006.

ALBENSI, B.C.; MATTSON, M.P. “Evidence for the involvement of TNF and NF-kappaB in hippocampal synaptic plasticity”. Jornal Home. v. 35, 2005.

BASSOLI, B.K. Ácido Fólico: efeitos paradoxais na promoção da hepatocarcinogênese em ratos. Universidade de São Paulo. 135 p. São Paulo, 2009.

BÉLIVEAU, R.; GINGRAS, D. Os alimentos contra o câncer: a prevenção e o tratamento do câncer pela alimentação. 1.ed. Vozes, 2007.

BIOGEO GONDOMAR. Síntese protéica – quadro de resumos. Disponível em: Acesso em: 08/11/2011.

BOSAEUS, I.; DANERYD, P.; LUNDHOLM, K. Dietery intake, energy expenditure, weight loss and survival in cancer patients. International Journal of Cancer. v. 93, p. 380–383, 2002.

BOSANQUET, N.; SIKORA, K. The Economics of Cancer Care. Cambridge: Cambridge University Press. v. 5, p. 568-574, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Estimativa 2010 – Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. SecretariaExecutiva. Secretaria de Atenção Básica. Glossário temático: alimentação e nutrição. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. A situação do câncer no Brasil. Ministério da Saúde, 2006a.

BRASIL - DATASUS - Departamento de Informática do Sistema único de Saúde - in Instituto Nacional de Câncer. A situação do câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2006b.

CHEN, C.; KONG, A.N.T. Dietary cancer-chemopreventive compounds: from signaling and gene expression to pharmacological effects. Trends in Pharmacological Sciences, v. 26, p. 318- 326, 2005.

COLDITZ, G.A.; SELLERS, T.A.; TRAPIDO, E. Epidemiology – identifying the causes and preventability of cancer? Nature Reviews Cancer. v. 6, p. 75-83, 2006.

CONTI, A.; MORENO, F.S.; ONG, T.P. Nutrigenômica: Revolução Genômica na Nutrição. FCienc. Cult. v. 62, n. 2. São Paulo, 2010

CORTHESY-THEULAZ, I.; DUNNEN, J.T.; FERRÉ, P.; GEURTS, J.M.W.; MÜLLER, M.; van BELZEN, N.; van OMMEN, B. Nutrigenomics: the impact of biomics technology on nutrition research. Annals of Nutrition & Metabolism, v. 49, n. 6, p. 355, 2005.

CUFFA, A.; TOZZO, A.; BRITO, A.F.B.; MATSUZAWA, F.; COELHO, I.; MARTINS, J.P.O.B.; MOTTA, L.P.; EIDAM, M.; PADILHA, M.; LEME, R.G.M.; KOROGUI, W.J. Perspectivas e tratamentos para a cura do câncer no século XXI. 2001. Disponível em: www.dbi.uem.br/cancer.pdf. Acesso em: 6/07/2011.

CUPPARI, L. Nutrição: nas doenças crônicas não-transmissíveis. Barueri: Manole, 2009. 515p.

CUPPARI, L. Guia de nutrição: Nutrição Clínica no Adulto. Sao Paulo, Brasil: Manole, 2005, 2ª edição. 406p.

DANAEI, G.; HOORN, V.S., LOPEZ, A.D.; MURRAY, C.J.L.; EZZATI, M. Causes of cancer in the world: comparative risk assessment of nine behavioral and environmental risk factors. The Lancet. v. 366, p. 1784-1793, 2005.

DEBUSK, R.M.; FOGARTY, C.P.; ORDOVAS, J.M.; KORNMAN, K.S. Nutritional Genomics in Practice: Where Do We Begin? Journal of the American Dietetic Association. v. 105, p. 589-598, 2005.

FÉRES, V.F.; CARVALHO, G.C.; SANTOS, V.M.V.O. Nutrigenômica: um desafio do século XXI. 2008. Disponível em: www.bibliomed.com.br. Acesso em: 6/07/2011.

FIALHO, E.; MORENO F.S.; ONG, T.P. Nutrição no pós-genoma: fundamentos e aplicações de ferramentas ômicas. Revista de Nutrição. v. 21, n. 6, p. 757- 766. Campinas, 2008.

FUJII, T.M.; MEDEIROS, R.; YAMADA, R. Nutrigenômica e nutrigenética: importantes conceitos para a ciência da nutrição. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. J. Brazilian Soc. Food Nutr. v. 35, n. 1, p. 149-166. São Paulo, 2010.

GARÓFALO, A. Diretrizes para terapia nutricional em crianças com câncer em situação crítica. Revista de Nutrição. v. 8, n. 4, p. 513-527, 2005.

GO, V.L.W.; BUT RUM, R.R.; WONG, D.A. Diet, Nutrition and Cancer Prevention: The Postgenomic Era. J. Nutr. v. 133, n. 11, 2003

HESKETH, J.E.; VASCONCELOS, M.H.; BERMANO, G. Regulatory signals in Messenger RNA: determinants of nutrient-gene interaction and metabolic compartmentation. British Journal of Nutrition. v. 80, p. 307–321, 1998.

KAUWELL, G.P. Emerging concepts in nutrigenomics: a preview of what is to come. Nutr Clin Pract. v. 20, n. 1, p. 75- 87, 2005.

MARTI, A. Avances em nutrición molecular: nutrigenómica y/o nutrigenética. Nutrición Hospitalaria. v. 20, n. 3, p. 157-164, 2005.

MARTIGNONI, M.E.; KUNZE, P.; FRIESS, H. Cancer cachexia. Molecular Cancer. v. 2, n. 36, 2003.

MESSINA, M.; KUCUK, O.; LAMPE, J.W. An overview of the health effects of isoflavones with an emphasis on prostate cancer risk and prostate-specific antigen levels. J of AOAC, v. 89, n. 4, p. 1121- 1134, 2006.

MÜLLER, M.; KERSTEN, S. Nutrigenomics: goals and strategies. Nat Ver Genet. v. 4, p. 315-322, 2003.

NAKACHI, K.; EGUCHI, H.; IMAI, K. Can teatime increase one’s lifetime? Ageing Res Rev. v. 2, p. 1-10, 2003.

NCI - National Cancer Institute. International Portfolio: addressing the global challenge of cancer. Ed. NIH. Julho/2006.

OMMEN, B. Nutrigenomics: exploiting systems biology in the nutrition and health arenas. Nutrition. v. 20, p. 4-8, 2004.

PADILHA, P.C.; PINHEIRO, R.L. O Papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama. Revista Brasileira de Cancerologia. v. 50, n. 3, p. 251-260, 2004.

PATRÍCIO, R.S.G. Desenvolvimento de material educativo digital para divulgação científica da nutrigenômica. USP – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

PÉGORIER, J.P.; LE MAY, C.; GIRARD, J. Control of gene expression by fatty acids. J Nutr. v. 134, p. 2444S-2449S, 2004.

RIBOLI, E. The European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC): plans and progress. J Nutr. V. 131, p. 170S-175S, 2001.

ROSENGREN, R.J. Catechins and the treatment of breast cancer: possible utility and mechanistic targets. Drugs Journal. v. 6, n. 11, pg. 1073-1078, 2003.

RUBIN, H. Cancer cachexia: its correlations and causes. Proceedings of National Academy of Sciences. v. 100, n. 9, p. 5384-5389, 2003.

SENGER, A.E.V.; SCHWANKE, C.H.A.; GOTTLIEB, M.G.V. Chá verde (Camellia sinensis) e suas propriedades funcionais nas doenças crônicas não transmissíveis. Scientia Medica. v. 20, n. 4, Porto Alegre - RS, 2010.

SHRUBSOLE, M.J.; JIN, F.; DAÍ, Q.; SHU, X.; POTTER, J.D.; HEBERT, J.R.; GAO, Y.T.; ZENG, W. Dietary folate intake and breast cancer risk: results from the Shanghai Breast Cancer Study. Cancer Research. v. 61, n. 19, p. 7136- 7141, 2001.

STEINER, C.; ARNOULD, S.; SCALBERT, A.; MANACH, C. Isoflavones and the prevention of breast and prostate cancer: new perspectives opened by nutrigenomics. British Journal of Nutrition. v. 99, p. ES78-ES108, 2008.

TISDALE, MJ. Metabolic abnormalities in cachexia and anorexia. Nutrition. v. 16, p.1013-1014, 2000.

TOSCANO, B.A.F; COELHO, M.S.; ABREU, H.B.; LOGRADO, M.H.G.; FORTES, R.C.F. Câncer: implicações nutricionais. Cancer: nutritional implications. Com. Ciências Saúde. v.19, n. 2, p. 171-180, 2008.

WHO - World Health Organization. World Cancer Report. International Agency for Research on Cancer. Lyon, 2009.

WHO - World Health Organization. National Cancer Control Programmes. Policies and Managerial Guidelines. Genebra, 2002.

WILSON, R.L.. Optimizing nutrition for patients with cancer. Clinical Journal of Oncology Nursing. v. 4, n. 1, p. 23-28, 2000.

YOUNG, V.R.W.O. Atwater Memorial Lecture and the 2001 ASNS President’s Lecture: Human Nutrient Requirements: The Challenge of Post - Genome Era. J. Nutr. v. 132, n. 4, p. 621-629, 2002.

YOUNG-SAM, K; WOO-SIK, J; KONG, T. Chemoprevention by isothiocynates and underlyng molecular signaling mechanisms. Muttation Research. v. 555, p. 191-202, 2004.

Downloads

Publicado

05-04-2017

Como Citar

TESSARIN, Maria Carolina Ferreira; SILVA, Marcelo Augusto Mendes da. Nutrigenômica e Câncer: Uma Revisão. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 8, n. 1 (Esp.), p. 79–96, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v8.n1 (Esp.).1239. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1239. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Especial Nutrição

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)