Uma Engenharia Didática para o ensino de História da Matemática com o Google Meet durante a pandemia: relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/praxis.v13.n26.3369

Palavras-chave:

Engenharia Didática, Coronavírus, Google Meet, Teoria das Situações Didáticas

Resumo

O presente artigo retrata um estudo descritivo e qualitativo, com o objetivo de analisar as concepções dos estudantes do curso de Licenciatura em Matemática, durante as aulas na disciplina de História da Matemática no período de pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Assim, foi utilizada a Engenharia Didática, como metodologia de pesquisa, e a Teoria das Situações Didáticas, como metodologia de ensino, abordando assuntos contidos na ementa da disciplina, com o viés de tornar o estudante o protagonista do seu próprio conhecimento. Para isso, as aulas foram ministradas por meio do Google Meet, um recurso computacional o qual foi disponibilizado neste período de pandemia de forma gratuita. Contudo, analisaremos os pontos positivos e negativos dessas aulas, diante desse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Passos Machado Vieira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará

Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática

Milena Carolina dos Santos Mangueira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará.

Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática

Francisco Regis Vieira Alves, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará

Possui graduação em Bacharelado em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1998), graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1997), mestrado em Matemática Pura pela Universidade Federal do Ceará (2001) e mestrado em Educação, com ênfase em Educação Matemática, pela Universidade Federal do Ceará (2002). Doutorado com ênfase no ensino de Matemática (UFC - 2011). Atualmente é professor TITULAR do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do estado do Ceará/ IFCE - 40h/a com DE, do curso de Licenciatura em Matemática e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível (2020 - 2023). Tem experiência na área de Matemática e atuando principalmente nos seguintes temas: Didática da matemática, História da Matemática, Análise Real, Filosofia da Matemática e Tecnologias aplicadas ao ensino de matemática para o nível superior. Com pesquisa voltada ao ensino de Cálculo I, II, III, Análise Complexa, EDO, Teoria dos Números. E na Universidade Aberta do Brasil, com o ensino a distância de Matemática. Desenvolve pesquisa direcionada para o ensino do Cálculo a Várias Variáveis e sua transição interna. Atua também no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA) - UFC. Revisor e parecerista ad hoc dos seguintes periódicos: Vydya Educação, Sinergia - IFSP, Rencima - Revista de Ensino de Ciências e Matemática, Revista do Instituto Geogebra de São Paulo, Tear - Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Boletim Online de Educação Matemática - BoEM e revista REMAT: Revista Eletrônica da Matemática. Comitê editorial do Boletim Cearense de Educação e História da Matemática (BOCEHM) e Coordenador do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - PGECM/IFCE (acadêmico). no período de 2015/2020 e Membro do Consenho Científico da revista ForSCience - IFMG. Avaliador da EURASIA Journal of Mathematics, Science and Technology Education.

Paula Maria Machado Cruz Catarino, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

 Concluiu Doutoramento em Matemática - área de especialização em Semigrupos - University of Essex em 1998. É Professor Associado na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Publicou 31 artigos em revistas especializadas e 32 trabalhos em actas de eventos, possui 2 capítulos de livros e 7 livros publicados. Possui 10 itens de produção técnica. Participou em 8 eventos no estrangeiro e 41 em Portugal. Orientou 5 dissertações de mestrado e co-orientou 1 nas áreas de Matemática e Ciências da Educação. Actua nas áreas de Ciências Exactas com ênfase em Matemática, Ciências Exactas com ênfase em Outras Ciências Exactas e Ciências Sociais com ênfase em Ciências da Educação. Nas suas actividades profissionais interagiu com 39 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. No seu curriculum DeGóis os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: automorphism, dihedral group, orientation-preserving transformation, orientation-reversing transformation, semigroup e transformation.

Referências

ALMOULOUD, S. A. (2007). Fundamentos da didática da matemática. Curitiba: UFPR.

ALMOULOUD, S. A.; COUTINHO, C. de Q. e S. (2008). Engenharia Didática: características e seus usos em trabalhos apresentados no GT-19/ANPEd. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, v. 3, n. 1, p. 62-77. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2008v3n1p62/12137>. Acesso em: 20 maio 2020.

ALMOULOUD, S. A. (2016). Modelo de ensino/aprendizagem baseado em situações-problema: aspectos teóricos e metodológicos. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, v.11, n. 2, p. 109-141. doi: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2016v11n2p109.

ALVES, F. R. et al. (2019). Ensino de ciências e educação matemática 3 [recurso eletrônico] Organizador Felipe Antonio Machado Fagundes Gonçalves. Capítulo 2 - Engenharia Didática para o ensino da sequência de Padovan: um estudo da extensão para o campo dos números inteiros. Ponta Grossa, PR: Atena Editora. doi:10.22533/at.ed.0901922112. 2019.

ARAGÃO, J. C. S. et al. (2019). Produção de vídeos como material didático de apoio para aprendizagem em saúde da mulher: relato de experiência. Revista Práxis, v. 11, n. 22, p. 45-52. Disponível em: < http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/2729/2482>. Acesso em: 19 maio 2020.

ARTIGUE, M. (1988). Ingénierie didactique. Recherches en Didactique des Mathématiques, v. 9, n. 3, p. 281–308. Disponível em: < http://www.cfem.asso.fr/actualites/archives/RDM9.3M.ArtigueIngenierieDidactique.pdf/at_download/file>. Acesso em: 28 ab. 2020.

ARTIGUE, M. et al. (1995). Ingenieria didactica en educacion matematica: un esquema para la investigacion y la innovacion en la enseñanza y el aprendizaje de las matematicas. Bogotá: una empresa docente & Grupo Editorial Iberoamérica. Disponível em: < https://core.ac.uk/download/pdf/12341268.pdf>. Acesso em: 07 abr. 2020.

BOYER, C. (2006). História da matemática; revista por c. Merzbach, tradução Elza F. Gomide. 2a ed, Sao Paulo-SP: Ed. Edgard Blucher LTDA.

BROUSSEAU, G. (1982). D’un problème à l’étude à priori d’une situation didactique. Deuxième École d’Été de Didactique des mathématiques, Olivet, p. 39–60.

BROUSSEAU, G. (1986). Fondements et méthodes de la didactique des mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, v. 7, n. 2, p. 33–115. Disponível em:< https://revue-rdm.com/1986/fondements-et-methodes-de-la/>. Acesso em: 12 maio 2020.

CHEVALLARD, Y. (1998). La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. [S.l.]: Buenos Aires: Aique.

HORADAM, A. F. (1993). Quaternion recurrence relations. Ulam Quarterly, v. 2, p. 23–33. Disponível em: < http://ulamquarterly.dyndns.org/VIEW2.2/horadam.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2020.

JOHNSTON, S. (2017). Meet the new Hangouts. Google. Archived from the original on March 14, 2017. Disponível em: <https://techcrunch.com/2020/04/29/google-is-making-meet-free-for-everyone/>. Acesso em: 10 mai 2020.

MENDONÇA, F. C. R.; MAJEROWICZ, S.; COSTA, M. (2018). O filme como estratégia de ensino da Metodologia da Pesquisa: relato de experiência. Revista Práxis, v. 10, n. 20, p. 95-105. Disponível em: < http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/1297/2253>. Acesso em: 12 maio 2020.

OLIVEIRA, R. R. (2018). Engenharia Didática sobre o Modelo de Complexificação da Sequência Generalizada de Fibonacci: Relações Recorrentes N-dimensionais e Representações Polinomiais e Matriciais. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências e Matemática - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará (IFCE). Disponível em: < http://pgecm.fortaleza.ifce.edu.br/wp-content/uploads/2018/10/RANNYELLY_DISSERTACAO_PGECM_IFCE_2018.pdf>. Acesso em: 20 maio 2020.

OLIVEIRA, R. R. de; ALVES, F. R. V.; PAIVA, R. E. B. (2017). Identidades bi e tridimensionais para os números de Fibonacci na forma complexa. C.Q.D.-Revista Eletrônica Paulista de Matemática, v. 11, n. 2, p. 91–106. doi: 10.21167/cqdvol11ic201723169664rrofrvarebp91106.

PAIS, L. C. (2002). Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

POMMER, W. M. (2013). A Engenharia Didática em sala de aula: Elementos básicos e uma ilustração envolvendo as Equações Diofantinas Lineares. São Paulo. Disponível em: < http://stoa.usp.br/wmpommer/files/3915/20692/Livro%20Eng%C2%AA%20Did%C3%A1tica%202013.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2020.

SANTOS, A. A. dos. (2017). Engenharia Didática sobre o Estudo e Ensino da Fórmula de Binet como modelo de generalização e extensão da Sequência de Fibonacci. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências e Matemática – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará (IFCE). Disponível em: < http://pgecm.fortaleza.ifce.edu.br/wp-content/uploads/2016/04/Disserta%C3%A7%C3%A3o-finalizada-com-a-catalogr%C3%A1fica-final.pdf>. Acesso em: 10 maio 2020.

TEIXEIRA, P. J. M.; PASSOS, C. C. M. (2013). Um pouco da teoria das situações didáticas (tsd) de Guy Brousseau. Zetetiké, v. 21, n. 39, p. 155–168. doi: https://doi.org/10.20396/zet.v21i39.8646602.

WIKIPÉDIA. Desenvolvido pela Wikipedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Google_Meet>. Acesso em: 08 Mai 2020.

Downloads

Publicado

18-12-2021

Edição

Seção

Artigos