De igual para igual: A Educação pelos Pares como estratégia educativa, transformativa e emancipatória

Cristiana Pereira de Carvalho, Maria do Rosário Moura Pinheiro

Resumo


As progressivas evidências da eficácia da Educação pelos Pares como uma estratégia de educação e formação para a saúde têm vindo a reforçar o carácter participativo e o potencial transformativo dessa abordagem. O objetivo central deste trabalho é discutir o papel da Educação pelos Pares como processo de influência educativa entre pessoas que partilham de características demográficas, sociais, culturais e vivenciais, e que se identificam e aceitam reciprocamente como pares educadores e educandos. Consequentemente, procuram e facilitam o processo de influência educativa, transformativa e emancipatória, capaz de alcançar ganhos significativos ao nível da saúde. Por meio da pesquisa bibliográfica se apresenta a perspetiva histórica e os modelos e teorias que fundamentam a estratégia de Educação pelos Pares, assim como se reflete sobre o conceito de par educador, suas exigências e atributos. Ainda se consideram os desafios de educar pelos pares nos domínios da educação e promoção da Saúde. Os contributos associados a esta estratégia de empoderamento para todas as pessoas envolvidas são sobretudo discutidos em função das oportunidades de capacitação científica e pedagógica dos pares educadores e dos reconhecidos benefícios pessoais, sociais e culturais produzidos pela sua participação social ativa.


Palavras-chave


Educação pelos Pares. Educação para a Saúde. Participação. Pares educadores.

Texto completo:

PDF

Referências


AJZEN, I. From intentions to actions: A theory of planned behavior. In J. KUHL, J.; BECKMANN, J. Action control: From cognition to behavior. Berlin: Springer-Verlag, 1985. p. 11-39.

APF. Manual de eduçação inter-pares em direitos & saúde sexual e reprodutiva. Lisboa: APF, 2008.

BANDURA, A. Self-efficacy: Towards a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, v. 84, p. 191-215, 1977.

BANDURA, A. Social foundations of thought and action: A social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1986.

CIARI, B. Peer Related Education Supporting Tools – “Guide on Peer Education”. EU-LLP/PRESTO Project No. – 142301-LLP-1-IT-COMENIUS-CMP, 2010.

DIAS, S. Educação pelos pares: Uma estratégia na promoção da saúde. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa/Instituto de Higiene e Medicina Tropical, 2006.

FERREIRA, J.; FERREIRA, A.. Adolescência: Abordagens, Investigações e Contextos de Desenvolvimento. Direcção Geral da Educação, 2000.

FERREIRA, J.A.; MEDEIROS, M.T.; PINHEIRO, M. R. A teoria de Chickering e o estudante do ensino superior. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. 31, n.1,2 e 3, p. 139-164, 1997.

HART R. Children’s Participation: From Tokenism to Citizenship. Innocenti Essays No. 4. New York: UNICEF, 1992.

IFRC. Standards for HIV peer education programes. Geneva: International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies (IFRC), 2009.

IPPF. Included, Involved, Inspired – A Framework for Youth Peer Education Programmes. London: IPPF, 2007.

MARTINS, C. Educação pelos pares para a sustentabilidade sociocultural: uma investigação centrada na prevenção do VIH/Sida em alunos/as do 8.º ano de escolaridade, Portugal. 2014. Tese (Doutoramento em Ciências da Educação). Instituto de Educação da Universidade do Minho, Minho, 2014.

MCDONALD, J. et al. Peer education: from evidence to practice. An alcohol and other drugs premier. Adelaide: Snap Printing, 2003.

MONEY, N. et al., Best Practices Identified for Peer Support Programs Defense Centers of Excellence, 2011

PARKIN, S.; MCKEGANEY, N. The rise and rise of peer education approaches. Drugs: Education, Prevention and Policy, v.7, n.3, p. 293-310, 2000.

PINHEIRO, M. R. Educação pelos Pares: de educandos a educadores, uma estratégia atractiva mas muito exigente. Revista Ser Solidário, v. 34, p. 7-9, 2006.

PINHEIRO, M.R. Educação pelos Pares: Da Estratégia ao Programa Nacional. Comunicação apresentada nas IX Jornadas Nacionais de Educação pelos Pares: Promover a Saúde com Tod@s. Coimbra: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, 2018.

PROCHASKA, J. O.; DICLEMENTE, C. C. Stages of change in the modification of problem behaviors. Progress in Behavior Modification, v. 28, p. 183-218, 1992.

RENFREW, M., et al. Guide to implementing TAP (Teens for AIDS Prevention): a peer education program to prevent HIV and STI (2nd ed.). Washington, D.C.: Advocates for Youth, 2002.

RODRIGUES, V. Educar para a Saúde: uma estratégia de promoção da saúde. Sinais Vitais, v.59, p. 47-51, 2005.

ROGERS, E. Diffusion of Innovations. New York: Free Press, 1995.

ROSENSTOCK, I. M. The health belief model and preventive health behavior. Health Education Monographs, v. 2, p. 354-386, 1974.

SANDERS C. et al. Development of a peer education programme for advance end-of-life care planning. Int J Palliat Nurs. v. 12, n.5, p. 216-223, 2006.

SCIACCA, J.; BLACK, D. A critical review of peer education with young people with special reference to sexual health: are we throwing the baby out with the bath water. The Peer Facilitator Quarterly, v.14, p. 17-19, 1996.

SHINER, M. Defining peer education. Journal of Adolescent, v.22, p.555-566, 1999.

SHINER, M.; NEWBURN, T. Young people, drugs and peer education: an evaluation of the youth awareness programme (YAP). London: Home Office, 1996.

STAKIC, B. et al. Peer education within a frame of theories and models of behaviour change. The European Magazine for Sexual and Reproductive Health, v. 56, 2003.

SVENSON, G. et al. Os jovens e a prevenção da SIDA. Guia Europeu de Educação pelos Pares. Lisboa: PLINFO, CNLCSIDA, 2001.

TRAUTMANN, F. Peer Support as a method of risk reduction in injecting grug-user communities. Journal of Drug Issues, v.25, p.617-628, 1995.

TURNER, G.; SHEPHERD, J. A method in search of a theory: peer education and health promotion. Health Education Research, v. 14, n.2, p. 235-247, 1999.

UNODOC. Relatório da Comissão: Avaliação intercalar do Programa Juventude 2000-2006 (abrangendo o período de 2000-2003). Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias, 2004.

WEISZ, A.; BLACK, B. Peer Education and Leadership in Dating Violence Prevention: Strengths and Challenges, Journal of Aggression, Maltreatment & Trauma, v. 19, n.6, p. 641-660, 2010.

WHO. The Bangkok charter for health promotion in a globalized world. Sixth Global Conference on Health Promotion. Policy and partnership for action: addressing the determinants of health. Bangkok, Thailand, 7–11 August, 2005.

WHO. Action plan for sexual and reproductive health: towards achieving the 2030 Agenda for Sustainable Development in Europe – leaving no one behind. Copenhagen: Regional Committee For Europe 66th Session, 2016.

Y-PEER. Youth Peer Education Toolkit: Training of Trainers Manual. United Nations Population Fund, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cadernos UniFOA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.