Gravidez Ectópica Abdominal Primária Precoce Rota: Relato de Caso Ectopic Abdominal Primary Precocious Route Pregnancy: a Report of Case

Autores

  • Guilherme de Almeida Centro Universitário de Volta Redonda, UniFOA
  • Nelson dos Santos da Gama Filho Hospital HINJA.
  • João Batista de Oliveira Roque Clínica Santa Márcia
  • Naiara Barbosa Franco Marra Centro Universitário de Volta Redonda, UniFOA

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v4.n7.910

Palavras-chave:

Abdominal Pregnancy Pregnancy Ectopic Ultrasonography Gonadotroph Chorionic

Resumo

A gravidez abdominal é um tipo de gravidez ectópica e constitui um evento extremamente raro, cursando com elevada morbimortalidade materna e perinatal. Esse estudo trata-se de um relato de caso ocorrido em Volta Redonda-RJ, com uma paciente de 20 anos de idade, em que o diagnóstico só foi confirmado após realização de ultra-sonografia transvaginal e dosagem do hormônio gonadotrofina coriônica. Nesse caso, foi necessário, também, realização de Culdocentese, já que se tratava da confirmação de uma gravidez ectópica rota e  laparotomia, com exploração da cavidade abdominal, onde foi encontrada implantação do ovo no epiplon. Realizou-se a exérese cirúrgica da peça e a mesma foi enviada para exame histopatológico, diagnosticando que essa gravidez ectópica abdominal se tratava do tipo primária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM. M. M. R. Perfil das admissões em uma unidade de terapia intensiva obstétrica de uma maternidade brasileira. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, Recife, v. 6 (Supl 1): p. 55-62, maio. 2006.

BARBOSA, C. P. et al. Concomitância de gestação tópica e ectópica. ARQ. MED. ABC, 29(1), 2004.

CECATTI, J. G. et al. Mortalidade maternal em Recife: causas de óbitos maternos. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72031998000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 Dezembro 2007.

CHAVES NETO. H. Obstetrícia básica. São Paulo: Atheneu, 2005. 890p.

COSTA,C. F. et al. Gravidez extrauterina com feto vivo de 1430 gramas. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. v. 10, n. 12, 1988.

CUNNINGHAN et al. Williams obstetrícia. 20 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 1242p.

ELITO JUNIOR, J. et al. Ultra-sonografia transvaginal com doppler colorido para seleção das pacientes para tratamento conservador da gravidez ectópica íntegra. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72031999000300006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 Dezembro 2007.

ELITO JUNIOR ; CAMANO. L. Novos rumos da cirurgia na prenhez ectópica. Revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. v. 26, n. 5, junho 1998.

ENNES, D. K. et. al. Prenhez ovariana primária. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. v. 11, n. 4, abril 1989.

FERNANDES, A. M. S. et al. Prevalência de gestação ectópica de tratamento cirúrgico em hospital público de 1995-2000. Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 50, n. 4, 2004. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010442302004000400032&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 15 Dezembro 2007.

HELTER. L. D. et. al. Gravidez ovariana: relato de dois casos. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. v. 10, n. 8, 1988.

MATHIAS, L.; MAIA FILHO, N. L. In: FEBRASGO. Tratado de ginecologia FEBRASGO. Rio de Janeiro: Revinter , 2000 . v. 2, p. 445-451.

MAUAD FILHO, F. et. al. Prenhez ectópica (PE). Revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. v. 26. n. 4, maio 1998.

MURTA, E. F. C. et al. Análise Retrospectiva de 287 casos de Abdome Agudo em Ginecologia e Obstetrícia. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. v. 28. n. 1, 2000. Disponível em: < http://www.cbc.org.br/upload/pdf/revista/01022001%20-%2009.pdf>. Acesso em: 15 Dezembro 2007.

NEME, B. Obstetrícia básica. 3 ed. São Paulo: Sarvier, 2005. 1379p.

PEREIRA, P. P. Qual é a melhor conduta na prenhez ectópica?. Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 47, n. 3, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pidAcessado em Dez 2007.

POSSER, A. O. et al. Gravidez ectópica tubária bilateral: relato de caso. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, 1998.

REZENDE, J. de; MONTENEGRO, C. A. B. Obstetrícia fundamental. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan , 2006. p.689.

ROCHA, N. S. C.; BERTINI, A. M.; CAMANO, L. Gravidez ectópica: o valor da ultra-sonografia no pronto socorro. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. v. 18, n. 4, maio 1996.

SANTOS, L. C. et al. Gravidez Abdominal a Termo com Feto Vivo: Relato de Caso. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 21, n. 10, 1999.

SILVA-FILHO, A. L.; RODRIGUES, P. P.; REZENDE, C. P. Quais os critérios para tratamento medicamentoso na gravidez ectópica?. Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 52, n. 6, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script. Acesso em: 15 Dec 2007.

SIQUEIRA, A. A. F. et al. Mortalidade materna no Brasil, 1980. Revista Saúde Pública. São Paulo, v. 18, n. 6, 1984. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101984000600004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 de Dezembro de 2007.

SOARES, R. C. et al. Espessura endometrial como fator orientador do tratamento clínico da gravidez tubária íntegra. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 24, n. 5, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032002000500004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 Dec 2007.

VASCONCELOS, M. J. & PADILHA, E. M. Atualidades no tratamento conservador da prenhez ectópica. Jornal Brasileiro de Medicina, v. 83. n. 2, agosto 2002.

ZUCCHI, R. M.; ELITO JR, J.; ZUCCHI, F. et al. Gravidez ectópica após uso de contracepção de emergência: relato de caso. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, vol. 26, n. 9, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032004000900011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 Dezembro 2007.

Downloads

Publicado

03/27/2017

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde