O exercício da tutela na Educação Inclusiva

Rose Jardim Madureira de Araujo, Cláudio Kleina, Marcus Vinicius Faria de Araujo

Resumo


O exercício da tutela na educação inclusiva é o tema do presente trabalho e está baseado nas políticas inclusivas no ensino de surdos, visando à capacitação deste no exercício de sua cidadania. O objetivo principal é o de explicitar a importância do conhecer e do aplicar a cultura surda como pré-requisito para a construção dos projetos político-pedagógicos das instituições de ensino em suas gestões inclusivas. A metodologia utilizada foi a de fazer um contraponto entre a cultura surda e as políticas educacionais de inclusão vigentes no Brasil. Para o desenvolvimento de tal abordagem foi feito um paralelo entre as duas faces da inclusão, a saber: a inclusão opressora e a inclusão libertadora. Conclui-se após a pesquisa feita, que as políticas educacionais de inclusão na realidade produzem uma aculturação do surdo porque desconsideram a sua cultura e seu potencial construtivo, inventivo e criativo, devido a um rótulo preconceituoso de deficiência. Por fim, o presente artigo apresenta sugestões que contribuam para a viabilização de uma educação construtiva, igualitária e, de fato, inclusiva.

Palavras-chave


Inclusão Opressão LIBRAS

Texto completo:

PDF

Referências


BELLO, José L P. de.. E uma nova filosofia para a educação (1993). Disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/per01.htm. Acesso em 14.02.2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em cinco de outubro de 1988. Contém as emendas constitucionais posteriores. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL/MEC – Ministério da Educação. Lei n.º 10.436 de 24 de abril de 2002.Disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei10436.pdf. Acesso em 03.02.2011.

BRASIL/MEC – Ministério da Educação. Lei n.º 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em 14.02.2011.

BRASIL/MEC – Ministério da Educação. Lei n.º 12.319 de 1º de setembro de 2010. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em 14.02.2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial/Ministério da Educação e Cultura.

Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos. Brasília: SEESP/MEC, 2005.

________ Exame Prolibras / Ronice Müller de Quadros ... [et al.]. Florianópolis, 2009.

FILIETAZ, Marta R. P.. Políticas públicas de educação inclusiva: das normas à qualidade de formação do intérprete de língua de sinais. 2006. Curitiba. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação/Mestrado em Educação, na Linha de Pesquisa de Políticas Públicas da Universidade Tuiuti do Paraná.

FONSECA, Valter M. (2007). Paulo Freire e a educação libertadora, Disponível em : http://www.destaquein.sacrahome.net/node/348. Acesso em 14.02.2011.

Foucault, M. (1984a). Doença Mental e Psicologia (L. Shalders,Trad.). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13. ed.. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed.. Disponível em: http://portal.mda.gov.br/portal/saf/arquivos/view/ater/livros/Pedagogia_do_Oprimido.pdf. Acesso em 14.02.2011.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. nº. 21. jun/2000.

LACERDA, Cristina B.F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cad. CEDES [on line]. 1998, v.19, n.46, pp. 68-80. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 06.03.2011.

MAZZOTTA, Marcos José da Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1999.

OLIVEIRA, Paulo M. T. de. História da educação dos surdos no Brasil. Disponívelemhttp://www.lagoinha.org.br/ephata/phpwcms/index.php?id=2,9,0,0,. Acesso em 02.02.2011.

PERLIN, Gladis.T.; QUADROS, Ronice Müller.. Educação de surdos em escola inclusiva? Revista Espaço, vol. 7. Rio de Janeiro: Ines, 1997.

PIAGET, J. A psicologia da criança. Ed Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

QUADROS, R M de. Políticas lingüísticas e educação de surdos em Santa Catarina: Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. Espaço de negociações. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26, nº.69.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SANTANA, Bergamo (2005). Apostila de Cultura Surda (FAEL). Paraná. 2010.

SKUTNABB-KANGAS, Tove. Lingüística Direitos Humanos. Um pré-requisito para Bilingüismo. Ahlgren & K. Hyltenstam (eds.) Bilinguismo em Surdos Da Educação. Estudo Internacional sobre Língua de Sinais e Comunicação dos Surdos. Vol. 27. Hamburgo: Signum-Verl, 1994.

SOARES, Maria A. L.. A educação do surdo no Brasil. Campinas/SP: Autores Associados, 1999.

STAINBACK, Susan.; STAINBACK, William. (Orgs.) Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

STROBEL, Karin Lílian. A tradicional história de educação de surdos. Disponível em www.surdospelsurdos.com/noticiaseducacao.asp. Acesso em 02.02.2011.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Cadernos UniFOA



Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.