Estresse ocupacional e presenteísmo entre enfermeiros de um hospital público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v16.n45.3317

Palavras-chave:

Estresse Ocupacional. Presenteísmo. Enfermeiros. Enfermeiras. Saúde do Trabalhador.

Resumo

O estudo investigou o estresse ocupacional e o presenteísmo entre enfermeiros de um hospital público. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, descritiva, transversal, realizada nos meses de junho a setembro de 2019, com 42 enfermeiros hospitalares. Foram utilizados o Inventário de Estresse em Enfermeiros e o Questionário de Limitações no Trabalho. A maioria dos enfermeiros (92,7%) apresentou alto estresse e um decréscimo na produtividade (35,9%). A dimensão relações interpessoais foi influente para o alto nível de estresse ocupacional e o domínio demanda mental-interpessoal foi limitante para a produtividade desses profissionais. Conclui-se que o estresse influencia inversamente a produtividade do enfermeiro, a qualidade de vida no trabalho e a saúde desses profissionais, bem como a segurança e qualidade da assistência prestada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luíza Barbosa Couto, Institutos Superiores de Ensino do CENSA - ISECENSA.

Graduanda do curso de Enfermagem dos Institutos Superiores de Ensino do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora – ISECENSA.

Carolina Magalhães dos Santos, Institutos Superiores de Ensino do CENSA - ISECENSA.

Bióloga. Doutora em Ciências pela Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz. Professora e pesquisadora do Laboratório de Estudos em Saúde Pública – LAESP – dos Institutos Superiores de Ensino do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora – ISECENSA.

Thaís Aparecida de Castro Palermo, Institutos Superiores de Ensino do CENSA - ISECENSA.

Enfermeira. Mestre em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ. Professora e pesquisadora do Laboratório de Estudos em Saúde Pública – LAESP - dos Institutos Superiores de Ensino do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora – ISECENSA.

Referências

ANTONIOLLI, L.; ECHEVARRÍA-GUANILO, M.E.; MARTINS, C.L.; AMESTOY, S.C.; LONGARAY, T.M.; DE-SOUZA, S.B.C. Coping e estresse na equipe de enfermagem de um centro de tratamento de queimados. Rev. Bras. Queimaduras, v. 16, n.3, p. 174-180, 2017. Disponível em: <https://www.rbqueimaduras.com.br>. Acesso em: 24 de março de 2020.

CARVALHO, A.E.L.; FRAZÃO, I.S.; SILVA, D.M.R.; ANDRADE, M.S.; VASCONCELOS, S.C.; AQUINO, J.M. Estresse dos profissionais de enfermagem atuantes no atendimento pré-hospitalar. Rev. Bras. Enfermagem, v. 73, n.2, p. e20180660, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 15 de março de 2020.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Resolução n°. 466 de 12 de dezembro de 2012. Ministério da Saúde. Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.conselho.saude.gov.br>. Acesso em: 15 de setembro de 2019.

CUNHA, I.C.K.O.; BALSANELLI, A.P. Liderança do enfermeiro em unidade de terapia intensiva e sua relação com ambiente de trabalho. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 23, n.1, p. 106-113, 2015. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 15 de setembro de 2019.

FELIX, D. B.; MACHADO, D. Q.; SOUSA, E. F.; CARNEIRO, J. V. C. Análise dos níveis de estresse no ambiente hospitalar: um estudo com profissionais da área de enfermagem. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 7, n. 2, p. 530-543, 2017. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed>. Acesso em: 23 de março de 2019.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JEON, S.H.; LEEM, J.H.; PARK, S.G.; HEO, Y.S.; LEE, B.J.; MOON, S.H.; JUNG, D.Y.; KIM, H.C. Association among working hours, occupational stress, and presenteeism among wage workers: results from the second korean working conditions survey. Ann. Occup. Environ. Med., v. 26, n. 1, p. 6-13, 2014. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed>. Acesso em: 24 de março de 2019.

KERSTEN, M.; VINCENT-HÖPER, S.; NIENHAUS, A. Stress of dialysis nurses-analyzing the buffering role of influence at work and feedback. Int. J. Environ Res Public Health, v. 17, n. 3, p. E802, 2020. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed>. Acesso em: 23 de março de 2019.

LI, Y.; ZHANG, J.; WANG, S.; GUO, S. The effect of presenteeism on productivity loss in nurses: the mediation of health and the moderation of general self-efficacy. Frente. Psychol., v. 10, p. 1745, 2019. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed>. Acesso em: 24 de março de 2019.

MACHADO, D.A.; FIGUEIREDO, N.M.A.; VELASQUES, L.S.; BENTO, C.A.M.; MACHADO, W.C.A.; VIANNA, L.A.M. Cognitive changes in nurses working in intensive care units. Rev. Bra. Enfermagem, v. 71, n. 1, p. 73-9, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 16 de março de 2020.

OLIVEIRA, E.B.; GALLASH, C.H.; JUNIOR, P.P.A.S.; OLIVEIRA, A.V.R.; VALÉRIO, R.L.; DIAS, L.B.S. Occupational stress and burnout in nurses of an emergency service: the organization of work. Rev. Enferm. UERJ, v. 25, p. e28842, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 16 de março de 2020.

PEREIRA-FERREIRA, J. M.; AZEVEDO, A. R. I.; ROCHA, M. S. Estresse ocupacional em funcionários de um hospital universitário. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 9, n. 3, p. 295-314, 2019. Disponível em: <https://www.revistas.pucsp.br>. Acesso em: 23 de março de 2019.

QUEIROZ-LIMA, M.E.; SERRANHEIRA, F. Absenteeism and presenteeism costs from occupational accidents with WRMSDs in a Portuguese hospital. Dyna rev.fac.nac.minas, Medellín, v. 83, n.196, p. 27-30, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.org.com>. Acesso em: 23 de março de 2020.

RUIZ-FERNÁNDEZ, M.D.; ORTEGA-GALÁN, A.M.; FERNÁNDEZ-SOLA, C.; HERNÁNDEZ-PADILLA, J.M.; GRANERO-MOLINA, J.; RAMOS-PICHARDO, J.D. Occupational factors associated with health-related quality of lefi in nursing professionals: a multicentre study. Int. J. Environ. Res. Public Health, v. 17, n. 3, p. 982, 2020. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed>. Acesso em: 23 de março de 2019.

SANTOS, N.A.R.; SANTOS, J.; SILVA, V.R.; PASSOS, J.P. Occupational stress in palliative care in oncology. Cogitare Enferm., v. 22, n. 4, p. e50686, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 16 de março de 2020.

SKAGEN, K.; COLLINS, A.M. The consequences of sickness presenteeism on health and wellbeing over time: a systematic review. Soc. Sci. Med., v. 161, p. 169‐177, 2016. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 16 de março de 2020.

SOÁREZ, P.C.; KOWALSKI, C.C.G.; FERRAZ, M.B.; CICONELLI, R.M. Tradução para português brasileiro e validação de um questionário de avaliação de produtividade. Revista Panamericana Salud Publica, v. 22, p. 21-28, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 18 de novembro de 2018.

STACCIARINI, J.M.R.; TRÓCCOLI, B.T. Instrumento para mensurar o estresse ocupacional: inventario de estresse em enfermeiros (IEE). Rev. Latino Am. Enfermagem, v. 8, n. 60, p. 40-49, 2000. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 18 de novembro de 2018.

UMANN, J.; GUIDO, L.A.; SILVA, R.M. Estresse, coping e presenteísmo em enfermeiros que assistem pacientes críticos e potencialmente críticos. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 48, n. 5, p. 891-898, 2014. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 18 de novembro de 2018.

UENO, L.G.S.; BOBROFF, M.C.C.; MARTINS, J.T.; MACHADO, R.C.B.R.; LINARES, P.G.; GASPAR, S.G. Occupational stress: stressors referred by the nursing team. J. Nurs. UFPE On Line, v. 11, n.4, p. 1632-1638, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.com.br>. Acesso em: 16 de março de 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-13

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde