Karatê e agressividade: possíveis relações

Cláudio Delunardo Severino, Andressa de Oliveira Barbosa

Resumo


O presente estudo objetiva analisar possíveis relações entre a prática do Karatê e o comportamento, algumas vezes, agressivo por parte de seus adeptos. Para tal, investigaram-se as linhas teóricas do Karatê, seu histórico, ensino, conceitos e as suas abordagens gerais e, sendo assim, buscou-se compreender como os professores de Karatê trabalham com seus alunos a questão da agressividade, bem como as suas consequências. Além disso, procurou-se estabelecer uma maior compreensão acerca da agressividade, bem como suas principais características e conceitos específicos. A metodologia empregada tratou-se de uma pesquisa exploratória, discursiva, de cunho bibliográfico, além de pesquisa de campo para coleta de dados. O instrumento para a coleta de dados foi um questionário contendo perguntas acerca do desenvolvimento do Karatê, por parte dos professores, e também a relação destes com a temática da agressividade, através do qual delineamos a pesquisa a fim de obter o subsídio necessário para a análise proposta. Os participantes da pesquisa tiveram as suas respostas analisadas para que as mesmas pudessem ser generalizadas e projetadas, identificando-se  a melhor forma de  aproveitar as informações. Considerando que existem possíveis relações entre a prática do Karatê por crianças e adolescentes e o comportamento agressivo, eventualmente, apresentado pelos mesmos. A elaboração deste estudo justifica-se pela relevância de investigações relacionadas às linhas teóricas do Karatê. Consideramos também os aspectos culturais associados à agressividade e à contribuição que os seus resultados possam vir a apresentar aos profissionais ligados ao processo de ensino-aprendizagem desta arte marcial. Alguns professores consideram que condutas agressivas podem contribuir para o rendimento do aluno, e é esse equívoco que faz com que o indivíduo não seja capaz de lidar com o insucesso, ocasionando algumas vezes ações agressivas e até mesmo a violência. Sendo assim, notamos que podem existir relações entre a prática do Karatê e a agressividade, mas que não é o esporte o causador direto desse comportamento agressivo.

Palavras-chave


Karatê Agressividade Relações

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Sávio. Reinventando o esporte: possibilidades da prática pedagógica. 2 ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

BARREIRA Cristiano Roque. A alteridade subtraída: o outro no esvaziamento do karatê e na redução fenomenológica. 2006. Disponível em: . Acesso em: 08 Fev. 2010.

BETTI, Mauro. (Org.). Educação física e mídia: novos olhares, outras práticas. São Paulo: Hucitec, 2003.

BIRMAN, Joel. Cadernos sobre o mal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BITTENCOURT Aline Duran da S. Agressividade: fatores que influenciam negativamente a conduta da criança. 2000. Disponível em: . Acesso em: 08 Fev. 2010.

CANDREVA, Thábata et al. A agressividade na educação infantil: o jogo como forma de intervenção. 2007. Disponível em: < www.revistas.ufg.br/index.php/fef/article/.../4695>. Acesso em: 25 Fev. 2010.

DE ROSE JUNIOR, Dante. (Org.). Esporte e atividade física na infância e na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FERREIRA, Heraldo Simões. As lutas na educação física escolar. 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 Março 2010

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 47 ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2008.

FUNAKOSHI, Gichin. Os vinte princípios fundamentais do karatê: o legado espiritual do mestre. São Paulo: Cultrix, 2005.

GAUER, Gabriel Chittó (Coord.). Agressividade: uma leitura biopsicossocial. Curitiba: Juruá, 2008.

GOLDBERG, Jacob Pinheiro. Cultura da agressividade. 3. ed. São Paulo: Landy, 2004.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Educação Física Progressista: a prática crítico-social dos conteúdos e a educação física brasileira. 7 ed. São Paulo: Loyola, 2001.

KUNZ, Elenor; TREBELS, Andreas. Educação Física crítico-emancipatória: com uma perspectiva da pedagogia alemã do esporte. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006.

MAGALHÃES, Érika; ARANTES, Ana Cristina. A competência profissional e o professor de Educação Física. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 Set. 2010.

MARQUES, Antônio. Fazer da competiçao dos mais jovens um modelo de formação e educação. In: GAYA, Adroaldo; MARQUES, Antônio; TANI, Go. Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: Ed. da UFGRS, 2004.

MORRIS, Desmond. O macaco nu. 17. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

NEIRA, Marcos Garcia. Educação física: desenvolvendo competências. 2 ed. São Paulo: Phorte, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SAMULSKY, Dieter. Psicologia do esporte: teoria e aplicação prática. Belo Horizonte: UFMG, 1992.

SANTOS, Ellen Fernanda. Agressividade infantil: possíveis causas e consequências. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 Fev. 2010.

SANTOS, José Cirone dos. A legitimação social do karatê-dô tradicional e o controle da “agressividade”: um estudo da exclusão da ilicitude na prática esportiva. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 Fev. 2010.

SOUSA, Oriana et al. Estudo comparativo de agressividade entre praticantes e não praticantes de desportos de combate – karatê. 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 Fev. 2010.

SZYMANSKI, Heloísa. A relação família/escola: desafios e perspectivas. 2 ed. Brasília: Líber Livro, 2009.

TANI, Go; BENTO, Jorge Olímpio; PETERSEN, Ricardo Demétrio de Souza. Pedagogia do desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

TRAMONTIN, Zilmar; PERES, Luís Sérgio. O karatê como ferramenta minimizadora da agressividade no ambiente escolar. 2008. Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1933-8.pdf>. Acesso em: 13 Abril 2011.

VIANNA, José Antônio. Valores tradicionais do karatê: uma aproximação histórica e interpretativa. 1996. Disponível em: . Acesso em: 08 Fev. 2010.

WEINBERG, Robert. S; GOULD Daniel. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Cadernos UniFOA



Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.