Análise do uso de Dietas Gluten Free e Casein Free em crianças com Transtorno do Espectro Autista

Autores

  • Danielle Ricardo de Araújo Discente do curso de Nutrição do UniFOA
  • Alden dos Santos Neves Nutricionista, Mestre em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente, Docente do UniFOA

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v6.n1esp.1218

Palavras-chave:

Glúten Caseína Dieta Autismo

Resumo

O autismo é um transtorno do desenvolvimento com ação gravemente impactante no desenvolvimento cognitivo infantil, apresentando uma etiologia desconhecida com hipóteses multifacetadas. A freqüente presença de sintomas gastrintestinais, alergia alimentar e peptídeos urinários têm sido relacionados a tratamentos alternativos incluindo a intervenção dietética. A grande popularização da dieta GFCF (gluten free - casein free) entre pais e cuidadores é vista atualmente com relatos positivos de melhora no comportamento e sintomas gastrointestinais. Esse tipo de intervenção exclui o glúten e a caseína da alimentação a fim de identificar se essas proteínas desempenham algum potencial alérgeno. A maioria dos pais e cuidadores não procuram o nutricionista para esse tipo de intervenção, o que pode acarretar em riscos de deficiências nutricionais. Estudos direcionados ao uso da dieta GFCF em crianças autistas têm obtido resultados controversos, não fundamentando de forma significativa o uso destas intervenções. Desta maneira o objetivo deste estudo é analisar o emprego dessas dietas de restrição como alternativa terapêutica em crianças portadoras do espectro autista, por meio de uma revisão da literatura disponível. Conclui-se que existe a necessidade de desenvolvimento de novos estudos com resultados melhor embasados tanto em número da amostra, quanto a testes e avaliações que não sejam subjetivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRESSAN, R. A.; GEROLIN, J.; MARI, J.J. The modest but growing Brazilian presence in psychiatric, psychobiological and mental health research: assessment of the 1998-2002 period. Braz J Med Biol Res. V.38. n.5. pp.649-59. 2005.

BUIE, T.; CAMPBELL, D. B.; FUCHS, G. J.; FURUTA, G. T.; LEVY, J.; VANDEWATER, J.; WHITAKER, A. H.; ATKINS, D.; BAUMAN, M. L.; BEAUDET, A. L.; CARR, E. G.; , MICHAEL D. GERSHON, M. D.; HYMAN, S. L.; JIRAPINYO, P.; JYONOUCHI, H.; KOOROS, K.; PAT LEVITT, R. K.; LEVY, S. E.; LEWIS, J. D.; MURRAY, K. F.; NATOWICZ, M. R.; SABRA, A.; WERSHIL, B. K.; WESTON, S. C.; ZELTZER, L.; WINTER, H. Evaluation, Diagnosis, and Treatment of Gastrointestinal Disorders in Individuals With ASDs: A Consensus Report. Pediatrics. 125;S1-S18. 2010.

CORMIER, E.; ELDER, J.H. Diet and Child Behavior Problems: fact ou fiction? Tallahassee, USA, v.33 n 2, p.138-143, Mar./Apr., 2007.

CURTIS, L. T.; PATEL, K. Nutritional and Environmental Approaches to Preventing and Treating Autism and Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD): A Review. The Journal of Alternative and Complementary Medicine. V. 14, N. 1, pp. 79–85. 2008.

FRANCIS, K. Autism interventions: a critical update. Developmental Medicine e Child Neurology. v.47. p.493–499. 2005.

GADIA, C. A.;TUCHMAN, R.; ROTTA, N. T. Autism and pervasive developmental disorders. Jornal de Pediatria. V. 80, N.2(Suppl), 2004

GALIATSATOS, P.; GOLOGAN, A.; LAMOUREUX, E. Autistic enterocolitis: Fact or fiction?. Can J Gastroenterol. V. 23. N.2.P. 95-98. 2009.

GENUIS, J.; BOUCHARD, T. P. Celiac Disease Presenting as Autism. Journal of Child Neurology. V. 25, n. 1, p. 114-119. Jan 2010.

HERTZ-PICCIOTTO, I.; CROEN, L.A;, HANSEN, R., JONES, C.R. The charge study: an epidemiologic investigation of genetic and environmental factors contributing to autism. Environ Health Perspect. v.1147. p.1119-1125. 2006.

HIGUERA, C. M. Tratamientos Biológicos del Autismo y Dietas de Eliminación. Rev Chil Pediatr. V. 81 n. 3. pp. 204-214. 2010

HUNTER, L. C.; O’HARE, A.; HERRON, W. J.; FISHER, L. A.; JONES, G. E. Opioid peptides and dipeptidyl peptidase in autism. Developmental Medicine e Child Neurology. v.45. pp.121–128. 2003.

IBRAHIM, S. H.; VOIGT, R. G.; KATUSIC, S. K.; WEAVER, A. L.; BARBARESI. W. J., Incidence of Gastrointestinal Symptoms in Children: A Population-Based Study. Pediatrics. V.124. pp. 680-686. 2009.

JYONOUCHI, H. Food Allergy and Autism Spectrum Disorders: Is There a Link? Allergy and Asthma Reports. v.9. pp.194–20. 2009.

MATSON, J. L. Clinical Assessment and Intervention for Autism Spectrum Disorders. Disponível em: < http://www.elsevier. com/wps/find/bookdescription.cws_ home/713801/description#description> . Acesso em: 20 mai 2011.

MULLOY, A.; LANG, R.; O’REILLY, M.; SIGAFOOS, J.; LANCIONI, G. ; RISPOLI. M. Gluten-free and casein-free diets in the treatment of autism spectrum disorders: A systematic review. Research in Autism Spectrum Disorders. 2009.

PUGLISI, ANETTE. Parents’ perceptions of the gluten-free casein-free diet for their children with autism. Morgantown, West Virginia. 2005. Dissertação Mestrado em Human Nutrition and Foods.

RAPIN, I.; GOLDMAN, S. A escala CARS brasileira: uma ferramenta de triagem padronizada para o autismo. J. Pediatr. (Rio J.) vol.84 no.6 Porto Alegre Nov./Dec. 2008

SHATTOCK, P.; WHITELEY, P. The Sunderland Protocol: a logical sequencing of biomedical interventions for the treatment of autism and related disorders. Autism Research Unit. University of Duham, 2000.

TEIXEIRA, M. C. T. V.; MECCA, T. P.; VELLOSO, R. L.; BRAVO, R. B.; RIBEIRO, S. H. B.; MERCADANTE, M. T.; PAULA, C. S. Literatura Científica Brasileira sobre Transtornos do Espectro Autista. Rev Assoc Med Brás. v.56. n. 5. 2010.

WHITE, J.F.; Intestinal pathophysiology in autism. Exp Biol Med (Maywood). v. 228. pp. 639–649. 2003.

Downloads

Publicado

04/05/2017

Edição

Seção

Especial Nutrição

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)